21/09/16

SOBRE O DIVÓRCIO DE ANGELINA JOLIE E BRAD PITT



Você é uma mulher linda, no auge dos seus vinte anos. Formada na faculdade e na pós, cursando o mestrado sem uma pausa sequer, carreira promissora... E aí você encontra um homem. Naturalmente, seguindo o ciclo da vida, vocês se casam. Adotam filhos. E todos têm vocês como exemplo de família perfeita, a exímia. E então vocês se separam. Assim, de uma hora para a outra. Decidiram, fizeram. Por impulso, talvez. Por perspectivas melhores, com certeza. Mas porque? Separar, assim do nada? Vocês eram perfeitos juntos. Ou então: E os filhos? Como se crianças não entendessem que pai e mãe não necessariamente tem de ser um casal. 

E aceitar o divórcio não é certo, nem errado, é apenas compreender que o Mundo não é como antigamente, onde o divórcio era visto como uma aberração. Sei que perante a sociedade mais antiga, o divórcio ainda não é aceito, embora ninguém saiba o que se passa entre um casal. Na vida a dois encontramos muitos problemas pela nossa caminhada, e um relacionamento exige uma base física e emocional capaz de superar os problemas, aceitar os defeitos, elogiar as qualidades, entender e corrigir os erros, dentre outras diretrizes importantes. Mais do que isto, é importante saber e entender que o outro é o outro, e você é você. Apesar de óbvio, muitos relacionamentos acabam porque as pessoas jogam sua felicidade, corpo e coração ao outro, e por um segundo esquecem de SE fazerem felizes. O outro não é a sua metade da laranja. Você é uma laranja inteira. A partir do momento que você entender que não basta se relacionar com os outros, o importante é se relacionar consigo mesmo, os seus relacionamentos serão 10000x melhores.

Já voltando para o divórcio, temos mães aconselhando filhas a continuar em um relacionamento abusivo e ruim, simplesmente porque pensam no dinheiro, no status do companheiro dela. Outros dão opiniões ridículas no casamento dos outros, como se estivessem vivendo aquela realidade. E citamos Angelina e Brad nas rodas de conversa do bar, muitas e muitas vezes. Meninas diziam que queriam um casamento "igual" o deles. E sim, eles passavam a imagem de perfeição. Só porque Angelina e Brad ganharam prêmios juntos, fizeram filmes juntos, não quer dizer que em casa eram um casal de Hollywood. Ninguém sabe se ele era um bêbado viciado e um estúpido com ela, ou se era uma pessoa maravilhosa no início mas se cansou do relacionamento e começou a agir como um babaca. Mas a sociedade julga como se o divórcio fosse o fim da vida. Como se ela, Angelina, tivesse jogado fora todos os anos ao lado dele por mero capricho. E nós sabemos disso. 

É normal cansar do seu relacionamento se ele vira monotonia e não é errado trocar se te faz infeliz. Errado é sustentar uma relação sem fundamento algum apenas por não aceitar os olhares alheios de pena, ou repressão. Errado é ser infeliz. Errado é não amar seu companheiro, e consequentemente, não se amar. 

30/08/16

Sobre o machismo do Biel - e as consequências na sociedade

Olá galera! Tudo certo com vocês? Eu sei que esse assunto já está "batido". Mas cá entre nós, que ainda ouvimos aquele tio babaca falando que o MC "era uma criança e não sabia o que estava fazendo", ou aquele amigo declarando que "queria ser como o Gabriel -vulgo, Biel-" sabe... Essas "crostas" do machismo impregnado na sociedade. E não só de homens, mas de mulheres também. Me envergonho muito, mas já reproduzi o machismo dizendo frases do tipo "mulher tem que se dar ao respeito" "mulher não deveria ficar com tantos homens" e blá blá blás que a gente está cansado de ouvir. Sinceramente, é o que nos é passado de pai para filho (pais machistas, filhos machistas) e tomamos isso como verdade. Mas de uns tempos para cá eu tenho mudado meus gostos, estilos e também opiniões, é claro. E essas opiniões machistas deram lugar a opiniões "cada um faz o que quiser, e isso não me diz respeito". O que eu fico feliz de finalmente estar consciente de que a vida dos outros não é a minha, e por mais que a minha religião (cristã) indique-me a não fazer certas coisas, eu não posso proibir outras (exceto leis tá bom?). E é simples assim. Mas o caso do Biel me chocou, simplesmente por ser uma pessoa pública, que influencia milhões de adolescentes, que, como eu, ainda não tem seu pensamento totalmente formado. Estão em construção. E com as frases reproduzidas pelo Biel, esta construção será totalmente errada, da forma errada. Vamos aos dois tweets que eu separei para mostrar a minha opinião a vocês. 


Biel, caro Gabriel. Sua opinião é machista. Ponto. Ninguém pediu a sua opinião. Ponto de novo. Mas, mesmo se eu quisesse, não precisaria do seu respeito. Afinal, não sou um cachorro para implorar respeito. Você não me respeita, ok, eu entendo, mas não ao ponto de me julgar por minhas roupas (tomando as dores cof cof pois não uso decote) ou pelo meu comportamento. Homem nenhum deve falar o que uma mulher tem ou não de fazer, simplesmente porque ele só deve cuidar da vidinha dele. E não da dela. E desde que o seu respeito não interfira meu direito de ir e vir -COM A ROUPA QUE EU QUISER- eu não me importo com ele. Nem com você.

Não... Imagina se você esbanjasse como seria... Amigo, para que tá feio.

Como eu disse ali em cima, o mais tenso disso tudo é que as meninas de 12, 13 e até 14 anos (ou mais) que são fãs do Gabriel, acabam por acreditar nisso tudo e levar como pensamentos para a vida. E aí acabam tendo atitudes machistas por causa de pensamentos iguais ao dele. E isso é bem complicado na sociedade que está tentando quebrar vários preconceitos e opiniões machistas. Mas enfim, esse é só um desabafo de uma menina em construção. 

Espero que consigam visualizar o que eu queria fazer entender por esse texto.

Um beijo.
Até o próximo post.

19/07/16

POR QUAL RAZÃO ESSES BLOQUEIOS DO WHATSAPP PODEM SER PERIGOSOS?


Olá galera! Eu resolvi falar de um assunto bem sério aqui e que me fez refletir bastante a respeito. Hoje lá pelas 11hrs da manhã o Whatsapp parou de funcionar. Mais um bloqueio. E aí, meu caro, entra a parte inteligente da história. Os motivos pelos quais bloquear o Whatsapp a favor da justiça é tão ruim assim.

1. Vendas

"O Brasil já está na crise né? Então vamos piorar!" Parece que é assim que os juízes pensam ao determinar tal lei. Primeiro porque, muitas lojas hoje utilizam o Whats para vender seus produtos, fotógrafos mandam prévias de suas fotos por lá, e assim vai. Na crise que estamos, não há espaço para perder dinheiro. E bloqueando o Whatsapp, que é um meio de comunicação, torna as coisas muito piores. Sem falar nos que são vendedores autônomos, não possuem loja física, e dependem muito mais do serviço

2. Prender bandido? Será?


Todos sabem que os ladrões, bandidos, etc são muito espertos. Vocês sinceramente acham que bloquear o Whatsapp vai ser o suficiente para desmascarar uma quadrilha? Eu não! Eles tem zilhões de outros aplicativos para usar, e mesmo se dependessem do Whats, vai virar folia? Porque quatro vezes diferentes já, é definitivamente folia. Vamos ver se os bandidos vão ser realmente capturados...

3. Motivos constantes

Sempre haverão bandidos, sempre haverão conversas para serem verificadas. Se o Whatsapp usa criptografia, a solução para esses juízes é simplesmente bloquear o aplicativo. E como o tio Mark não quer colaborar para as investigações (e nem pode!) o aplicativo vai parar de funcionar cada vez que os juízes estiverem insatisfeitos.


4. Ditadura

Que os juízes brasileiros estão totalmente errados em tomar essas atitudes, todos concordam. Mas o motivo para não concordar, geralmente é a comodidade. O motivo correto, se trata de uma posição de liberdade de cada pessoa. Bloquear um aplicativo tão utilizado e essencial, é bloquear a comunicação de milhares de cidadãos. Aliás, é jogando quem quiser se comunicar para o covil das operadoras carérrimas, por muitas vezes sem área e sem respeito com o consumidor. E isso, meu povo, é um passo para a ditadura.

Espero que vocês tenham entendido a mensagem do texto! Um beijo!

27/06/16

15 DICAS PARA VOCÊ CONSEGUIR TERMINAR O SEU TCC


Olá galera! Tudo certo com vocês? Bem, para quem não sabe, faço o Ensino Médio integrado ao Ensino Técnico de Administração, e estando no quarto (e último!!) ano, tenho o projeto de conclusão, ou Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). A palavra "TCC" até causa alguns espasmos nas pessoas, mas já vou logo avisando: não é um bicho de sete cabeças. Digo isso porque estou vivendo o momento, e realmente, é trabalhoso, mas não tem segredo algum. Aliás, até tem. Paciência, muita paciência. E também um pouco de amor. Mas aqui vão as "dicas de amiga" que eu gostaria que alguém tivesse me falado, bem antes de começar. 

1. Anote TODAS as ideias que vierem na sua cabeça.
2. Selecione um tema que você se identifica e conhece, ou QUER conhecer.
3. Veja se há informação suficiente sobre aquele tema na Internet, livros, onde você pensa em pesquisar.
4. Tenha justificativas plausíveis para tratar daquele tema, um interesse especial, uma ideia nova...
5. Quanto mais interessante perante a atualidade o tema for, melhor.
6. Fale com seu professor orientador, e explique sua ideia.
7. Após a aprovação, você continua o processo. Se não, volta para a 1.
















8. Depois de aprovado, comece conceituando o que você precisa. Anote tudo o que é importante.

9. Procure especialistas na área que você está estudando -fazendo o trabalho- e pergunte a eles sobre todas as dificuldades naquele tema.
10. Quanto mais fontes de pesquisa você conseguir, melhor. Lembre-se de pegar sempre informações confiáveis.
11. Para formatar o trabalho, use sempre o modelo da ABNT.
12. Esteja preparado para as perguntas que surgirem durante a apresentação. Pense em tudo que pode ser questionado, e treine a resposta.
13. Jamais deixe falhas no trabalho que você não pode consertar. Sejam escritas, falhas técnicas, ou justificativas que não "batem", não fazem sentido.
14. Revise. MUITO. Várias vezes. Ter erros de português é inadmissível em um trabalho desse porte.
15. E nunca, nunca salve em apenas um lugar. Tenha no mínimo dois pendrives, ou salvo no e-mail, enfim. Garanta sempre que não irá se perder de jeito nenhum.

Espero que vocês gostem das dicas e sejam super úteis! Um beijo, e até o próximo post.

21/06/16

Resenha: Como eu era antes de você (Filme)


Olá galera! Tudo certo com vocês? No sábado (18/06) fui ao cinema com meu namorado para assistir Como eu era antes de você. Li o livro no ano passado, e como amei, estava super ansiosa para conferir a adaptação.

O filme/livro trata da história de Will Traynor, sob a narrativa de Louisa Clark. Will tem 35 anos, é milionário, agressivo e mal humorado, e após um atropelamento acaba ficando tetraplégico. Louisa tem 26 anos, ex garçonete, não tem planos futuros, ainda mora com os pais, e tem um namorado meio doidinho que não tem nada a ver com ela. Após ser demitida do café onde trabalha, está a procura de um novo emprego, quando é contratada para ser a nova cuidadora de Will por seis meses. Através do bom humor de Lou, ela faz com que ele se torne seu amigo, voltando a ser bem humorado como era antes do acidente.


O livro e o filme nos fazem pensar muito sobre as dificuldades de ser uma pessoa com deficiência física, na limitação que eles têm. Além disso, trata de amor, morte, tristeza, e a principal temática do filme, para mim, é tratar de oportunidades. De nunca se acomodar. Pois sonhar, ter planos futuros, é tudo que devemos ter. Eu me senti orgulhosa pela Lou do final do filme. Com certeza conseguimos perceber a evolução dela ao longo do filme, e o tanto que Will fez bem para isso.

Porém, tenho em mente que adaptações são feitas por diretores que não leem os livros originais. Desta vez, posso dizer que leram apenas parte do livro. No filme, faltaram muitos detalhes, como por exemplo, a história da amante do Sr. Trainor, ou a parte onde Louisa entra em um grupo para apoio a deficientes on-line. Ou a parte em que Patrick troca ela por uma outra menina atlética. Enfim. Coisas que dariam gancho para o segundo filme. 

É um filme que gostei muito, embora como falei, tenha essas certas "mudanças" em relação ao livro. Mas não deixou o filme ruim, muito pelo contrário. O filme consegue te emocionar -e muito-. Confesso que imaginava a Dignitas de uma forma diferente, e tudo ali no filme não batia com a minha imaginação ao ler o livro. Só que isso não é algo totalmente ruim. Eu realmente fiquei surpresa com algumas cenas em que eu sabia exatamente o que os atores iriam falar, e outras que não tinham no "script" hehe. 

Espero que gostem do filme assim como eu gostei! Se for para dar uma nota de 0 a 10, seria 9,5!

Um beijo, e até o próximo post.
© Hi, Cultura! . Powered by Blogger :: Voltar ao topo imagem-logo