15/07/2014

#Palavras ao vento: Estamos presos à liberdade


Desculpa-me caro leitor; desculpa-me se minhas ideias são inconsistentes, desculpa-me esse ser delinquente. Desculpa-me também, e acima de tudo, essa verdade: Você está preso. É isso! Antes fosse no passado, antes se agarrar à um antigo amor, antes brincasse com seus pelúcias, antes lembrasse de todos os seus apelidos e sofresse novamente. É isso, nas mais puras palavras: Você está preso. Desculpa-me afligir-te. Perdoa-me, eu não resisti! Está preso no trânsito, está preso na escola, está preso no trabalho, olha pro lado! Sempre tem alguém ou alguma coisa para prender-te. Olha pra cima! O céu vai cair! Teu mundo fundo vai despencar. Vai sacudir a gaiola, vai cantar um canto morto, e se alguém fizer “piu”, você vai trancar a porta. Caro leitor, quisesse eu que você estivesse no presente. Mas não é de minha hipocrisia acreditar que o tempo não passa. É de meu feitio acreditar que o tempo não existe. E se você quiser fugir? Não dá, não dá, não dá! Você vai fugir pra onde? Onde é que dessa vez você vai se trancar? Num porão? Na casa de um amigo? No céu? Dentro de ti? Você tem à você, e não há mais ninguém que possa te ter. Até onde se estende a sua liberdade de querer? Você deu a mão à um substantivo abstrato que não passa de mito bem coroado. Criaram a liberdade para te prender. Mas te criaram para que pudesse libertar, e não vai dar! Calma caro leitor, senta e toma um chá, que mal tem? Observa os pássaros que não podem ir além do céu, observa as folhas que não podem passar do chão, observa as flores que não podem sentir outras terras, observa o chá, que não pode vazar da sua xícara, nem pode fugir da sua boca, nem pode cair em algo que não seja o pires ou seu estômago. Observa esse chá. Deixa ele vazar, deixa ele cair além da boca, deixa ele molhar tua clavícula, deixa ele chegar ao chão. É isso meu Caro Leitor, mais uma vez fui carrasco. Mais uma vez fui preso em flagrantes. Nós somos presos. Observa esse chá, que você delimitou em vão.

Julia Beatriz



Um comentário:

© Hi, Cultura! . Powered by Blogger :: Voltar ao topo imagem-logo