22/05/2015

Crônica: ROUBARAM MINHA INFÂNCIA


Eles tiraram minha roupa. Tiraram minha dignidade junto. Começaram me puxando e me agarrando, fiquei com vergonha, com medo, fiquei ali paralisada. Meu corpo estava imóvel, e eu não conseguia me mexer. Eu não sabia o que fazer, não sabia para onde correr. Não havia para onde correr. Se eu gritasse, seria pior. E além disso ninguém me escutaria. Então eu permaneci em silêncio. Não sei quanto tempo durou. Foi um cara. Foram dois caras. Foram três caras. Homens não eram, homem de verdade não faz esse tipo de coisa. Meninos? Qual é. Não. Eles eram irracionais. Eram babacas. Foi uma tortura, a coisa toda. Doeu, sangrou. A todo momento eu jurava para mim mesmo "vai passar, eu sei que vai". Mas não passou. Eles permaneciam ali, me vendo indefesa. Sozinha. Eu nunca me senti tão só como naqueles instantes. Horas, pareceram horas. Minha vida acabou naquele momento. Eu só pensava em morrer, em acabar com aquilo, em matá-los. Eu queria que eles sofressem o mesmo que eu estava sofrendo. É tudo tão injusto e cruel. Como pode? Como?

Menores de idade, que sequer pagarão pelos seus crimes. Se pagarem, será pouco para tamanha destruição. Destruíram meus sonhos, um projeto para o futuro e tantas outras coisas que eu pensava acreditar. Destruíram o meu lar, e a minha família. Destruíram quem sabe uma crença? A minha crença. Deus, porque eu? Deus, será que eu mereço tamanha vergonha? Destruíram meus planos. Destruíram tudo que havia de bom em mim. Agora só resta ódio, tristeza, e um enorme vazio em meu peito. Vazio este que talvez jamais será preenchido por algo. Vazio este que vai me perseguir pelo resto de minha vida. Vazio este que talvez me impeça de arrumar um namorado, de ter alguém ao meu lado. Vazio que permanece em mim, após todos dormirem. 

Eu não consigo mais dormir. Eu tenho sono, mas quando fecho os olhos é aquela maldita cena que vem à mente. Eu relembro tudo como um filme, um filme de terror para mim. Examino cada instante como se voltar no tempo via pensamento pudesse reverter tudo que aconteceu. Infelizmente, não dá para voltar atrás. Os acontecimentos marcaram minha vida como tatuagem infinita. Como algo que eu não posso simplesmente apagar como um erro no papel. Não existe borracha para apagar minha tristeza. Eu passo horas e horas tentando entender o crime...

As vezes penso que eu posso ter sido culpada. Será que a minha roupa estava curta demais? Será que meu decote estava exagerado? Não, o que é isso! Eu não posso me culpar por isso. A culpa não é minha, é deles. E repito isso milhões de vezes, até que eu consiga acreditar. 


O blog dedica esse texto a todas as meninas e mulheres que já foram violentadas sexualmente. Eu como mulher, me sinto extremamente fraca com essas situações. Não podemos admitir tais circunstâncias.

Espero que tenham refletido comigo, e entendam que violência sexual, estupro, ou seja lá como for chamado, é crime, e mesmo para adolescentes, deveria ter pena como tal. Pagar pelo crime é o primeiro passo.

2 comentários:

  1. Que cronica incrível!
    Vocês escreve muito bem e retratou o que muitas mulheres passaram.
    Um triste realidade que cada vez ganha maiores proporções paras as vitimas.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada lindona. É, infelizmente tentamos mudar este quadro a cada dia, né? :/

      Um beijo, bem vinda ao blog <3

      Excluir

© Hi, Cultura! . Powered by Blogger :: Voltar ao topo imagem-logo