04/08/2015

Resenha de filme: Ela (Her)


Enquanto as minhas férias não acabam (poderia durar para sempre, né?) eu sigo colocando em dia tooodos os filmes que alguma vez eu tive vontade de assistir. Esse foi indicado por um amigo meu há muito tempo (muito tempo mesmo, um ano atrás, inclusive Beijo Raithz!!) e acreditem ou não, eu tinha baixado, porém nunca assisti até o final. Que arrependimento! É um dos melhores filmes que já vi, e com certeza quero ele para a minha coleção, na minha estante. Aliás, esse filme ganhou nota máxima na crítica do site Adoro Cinema (coisa raríssima de acontecer) o que achei magnífico, pois além de raro, o site é mega conceituado.

O filme conta a história de Theodore, um escritor de cartas que vive num futuro onde máquinas fazem praticamente tudo, o que envolve flertar e até mesmo fazer sexo via telefone/computador/sei lá o quê. Theodore, que ainda não superou a separação com sua mulher (bem estranha por sinal, fria, calculista, demonstra ser fraca em personalidade) sabe-se lá porque -isso não fica bem claro no filme- acaba comprando um novo sistema operacional para seu computador que conta com uma inteligência artificial capaz de responder a tudo, tudo mesmo que seu usuário lhe pergunta. Theodore é um homem fácil de entender e compreender, ainda mais perante as situações que ele passa, é um homem normal com defeitos e qualidades. É um personagem principal que não poderia ser outro, demonstra fácil suas emoções e são bem perceptíveis todos os seus sentimentos.


Logo de inicio Theodore vê uma certa diferença em seu sistema. Primeiro, ela se torna cada vez mais real. Inventando um nome de Samantha, e com uma voz sexy, não há como não se apaixonar. E aí então é que ele começa a se apaixonar, sim, apaixonar, por uma máquina. Samantha na versão em inglês é vivida por Scarlett Johansson, muito boa atuação por sinal. É um motivo legal para assistir a versão legendada, a menos que você tenha pavor disso, ok, eu entendo. Samantha evolui conforme Theo conversa com ela, e ao mesmo tempo lhe dá cada vez mais informações. 

O futuro no filme é baseado na tecnologia, porém se você acha que vai encontrar carros voadores e robôs para todo o lado, engana-se. O filme está mais para um cenário e figurino estilo anos 70. Se não fosse o tão famoso sistema operacional. As músicas são calmas, o filme no geral também. Não é um filme que você dorme durante a exibição, mas se você não é muito fã de filmes, não vai ficar ~vidrado~ na telinha o tempo todo.

O filme recebeu cinco indicações ao Oscar (2014), incluindo Melhor Filme e Melhor Roteiro Original. Será que vale a pena dar uma conferida? Bom, corre!

Espero que gostem e assistam. Um beijo, e até o próximo post.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Hi, Cultura! . Powered by Blogger :: Voltar ao topo imagem-logo